Sinopse

Uma pessoa que transporta em si a música, todas as músicas… Um maestro… é sempre uma pessoa de bem, é o líder das boas causas, é o epicentro de um movimento total, é o exemplo da sociedade perfeita; todos concertados para a felicidade geral. Um homem ou uma mulher, sós, frente ao vazio que se pode tornar sublime; em que a grandeza do sentir individual está na direta proporção de o comunicar.

Um maestro não dirige sozinho, é permeável às propostas que os músicos lhe fazem, sugere, recebe e contrapõe. Fiel depositário de uma obra maior que lhe foi confiada, negoceia, ao segundo, a sua capacidade de transcendência. É aqui que o seu caminho se cruza com a dança e os seus intérpretes.

O maestro tem por missão orientar os fluxos da vida, porque eles são feitos de música. Raramente, as questões individual e coletiva, estiveram tão associadas, ainda por cima para desígnios tão edificantes para todos. É inegável a dimensão política exemplar: um líder que faz bem, sempre bem, sempre em prol de uma causa comum! Um indivíduo frente a um coletivo e vice-versa. Com missões diferentes todos trabalham para o mesmo fim.

É, desta forma, que quero criar este encontro entre um maestro e um corpo de dança. O corpo, os corpos são os de vinte intérpretes, masculinos e femininos, que executarão com rigor partituras partindo do compositor Shostakovitch para uma profusão de registos musicais distintos, mas cúmplices. Vinte maestros para várias orquestras imaginárias, com uma única partitura. Assim será o início da coreografia que de chef d’orchestre passa a corps d’orchestre.

Homens e mulheres que são, na sua integridade, o seu próprio instrumento!

Paulo Ribeiro


Conceção e coreografia Paulo Ribeiro
Ensino de direção de orquestra do 3.º movimento da 8.ª sinfonia de Shostakovitch e consultoria para banda sonora Miquel Bernat
Figurinos José António Tenente
Desenho de luz Nuno Meira
Assistente do coreógrafo Ana Jezabel

Interpretação bailarinos da CNB