NOTÍCIAS


UM FRESCO DANÇADO SOBRE AS EMOÇÔES HUMANAS
PÚBLICO
Luísa Roubaud




Criar uma coreografia contemporânea inspirada no Sturm und Drang - o breve e emblemático movimento artístico germânico (literalmente, “tempestade e ímpeto”) que, entre 1760 e 1780, contestou o racionalismo iluminista sinalizando a transição para o subjectivismo romântico - não era um desafio fácil.

O grito juvenil, introspectivo e dramático, de Goethe (1749-1832) em Sofrimento do Jovem Werther (1774), marcou pathos de toda uma época. Estava, pois, em pano de fundo, quando Rui Lopes Graça (n.1964) e o compositor Pedro Carneiro (n.1975) mergulharam no universo geracional e contestatário Sturmer: ao convencionalismo do Antigo Regime, opunham o primado da emoção sobre a razão, a exaltação do autêntico e das turbulências próprias ao humano. Por isso, a escolha das Sinfonias 44 (O Luto), 45 (O Adeus) e 49 (A Paixão) de Haydn (1732-1809), com as suas dinâmicas imprevisíveis e contrastantes, bem representativas desse desejo de subverter ordens estabelecidas.

Depois de todas as desconstruções que já recaíram na dança no século XX, em Tempestades, o repto era conseguir pôr a “contracultura” Sturmer a dialogar com o século XXI: o movimento dos treze músicos da Orquestra de Câmara Portuguesa, em palco, foi coreografado; as sinfonias de Haydn, trespassadas de sonoridades electrónicas, foram desarticuladas; e propôs-se aos treze bailarinos desalinhar o seu treino clássico.

A contrastar com a obscuridade cénica, flores campestres projectadas num ecrã suspenso, como que recordam as personagens da sua inscrição na ordem da natureza; ao fundo, uma estrutura metálica tenuemente iluminada, emite súbitos lampejos a provocar desconforto perceptivo.

Corajosos e disponíveis, os intérpretes dispuseram-se a abandonar as respectivas zonas de conforto. Os músicos, ora perfilados, sustendo os seus instrumentos, ora deles se despojando, envolviam-se em curiosas interacções com os bailarinos: rastejam juntos, manipulam ou deixam-se manipular, transportam-nos ou deixam-se transportar. Formam como que um retrato de grupo, que se desagrega; observam-se ou agem, a solo, ou em relações de afecto, desafio, ou conflito. Riem alto, há esgares a transfigurar os rostos, ou parecem sair dos seus papéis, vocalizando as contagens da coreografia.

Crítica completa [...]



 

Notícias relacionadas:
    •  “TEMPESTADES” DE RUI LOPES GRAÇA ESTREIA EM OUTUBRO PELA COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO

    •  JOSEFINA TOCA VIOLINO DESCALÇA E DEIXA-SE LEVAR PELA DANÇA
    •  COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO ESTREIA TEMPESTADES

    •  TEMPESTADES NO TEATRO CAMÕES

EDGAR PÊRA FEZ DE "O LAGO DOS CISNES" UM FILME MUDO QUE DANÇA À NOSSA FRENTE

2013-02-16

O realizador é a estrela da nova produção da Companhia Nacional de Bailado ao criar um cine-cenário hipnotizante.

 
DN - DUAS VERSÕES ATUAIS PARA O CONTO DE FADAS "O LAGO DOS CISNES"
2013-02-14

Companhia Nacional de Bailado estreia hoje um olhar atual sobre a coreografia de Petipa/Ivanov no Teatro Camões. O coreógrafo Daniel Cardoso propõe, amanhã, uma criação arrojada com o Quorum Ballet, na Amadora.

 
ADRIANA QUEIROZ UMA VOZ QUE DANÇA

2013-02-08

Filha de cantores quis ser bailarina, bailarina feita tornou-se cantora. Empurrada por músicos como Pedro Jóia, Adriana Queiroz gravou o seu primeiro disco. Ariadne é o espelho de uma voz que dança.
 
ÍPSILON - DANÇA 2012: 10 ESCOLHAS

2012-12-28

DANÇA 2012
As 10 escolhas do Jornal PÚBLICO por Luísa Roubaud, Paula Varanda e Tiago Bartolomeu Costa.

5) PERDA PRECIOSA de André e. Teodósio e Rui Lopes Graça - Companhia Nacional de Bailado
7) A CIDADE de Olga Roriz - Companhia Olga Roriz

 
CNB MOSTRA CLARA ANDERMATT EM 2013 AO SOM DOS MUSICAIS AMERICANOS

2012-12-21

No próximo ano a programação da Companhia Nacional de Bailado (CNB) juntará, no Teatro Camões, o cinema de Edgar Pêra a olhar para O Lago dos Cisnes.
 
Páginas:
Notícias por categoria:
Imprensa (123)
Televisão (28)
Revistas de Dança (5)
Rádio (14)
Blogs (3)
Críticas (9)
Jornais Digitais (57)
Outros (3)
Todas (230)
Consultar Arquivo