NOTÍCIAS


UM FRESCO DANÇADO SOBRE AS EMOÇÔES HUMANAS
PÚBLICO
Luísa Roubaud




Criar uma coreografia contemporânea inspirada no Sturm und Drang - o breve e emblemático movimento artístico germânico (literalmente, “tempestade e ímpeto”) que, entre 1760 e 1780, contestou o racionalismo iluminista sinalizando a transição para o subjectivismo romântico - não era um desafio fácil.

O grito juvenil, introspectivo e dramático, de Goethe (1749-1832) em Sofrimento do Jovem Werther (1774), marcou pathos de toda uma época. Estava, pois, em pano de fundo, quando Rui Lopes Graça (n.1964) e o compositor Pedro Carneiro (n.1975) mergulharam no universo geracional e contestatário Sturmer: ao convencionalismo do Antigo Regime, opunham o primado da emoção sobre a razão, a exaltação do autêntico e das turbulências próprias ao humano. Por isso, a escolha das Sinfonias 44 (O Luto), 45 (O Adeus) e 49 (A Paixão) de Haydn (1732-1809), com as suas dinâmicas imprevisíveis e contrastantes, bem representativas desse desejo de subverter ordens estabelecidas.

Depois de todas as desconstruções que já recaíram na dança no século XX, em Tempestades, o repto era conseguir pôr a “contracultura” Sturmer a dialogar com o século XXI: o movimento dos treze músicos da Orquestra de Câmara Portuguesa, em palco, foi coreografado; as sinfonias de Haydn, trespassadas de sonoridades electrónicas, foram desarticuladas; e propôs-se aos treze bailarinos desalinhar o seu treino clássico.

A contrastar com a obscuridade cénica, flores campestres projectadas num ecrã suspenso, como que recordam as personagens da sua inscrição na ordem da natureza; ao fundo, uma estrutura metálica tenuemente iluminada, emite súbitos lampejos a provocar desconforto perceptivo.

Corajosos e disponíveis, os intérpretes dispuseram-se a abandonar as respectivas zonas de conforto. Os músicos, ora perfilados, sustendo os seus instrumentos, ora deles se despojando, envolviam-se em curiosas interacções com os bailarinos: rastejam juntos, manipulam ou deixam-se manipular, transportam-nos ou deixam-se transportar. Formam como que um retrato de grupo, que se desagrega; observam-se ou agem, a solo, ou em relações de afecto, desafio, ou conflito. Riem alto, há esgares a transfigurar os rostos, ou parecem sair dos seus papéis, vocalizando as contagens da coreografia.

Crítica completa [...]



 

Notícias relacionadas:
    •  “TEMPESTADES” DE RUI LOPES GRAÇA ESTREIA EM OUTUBRO PELA COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO

    •  JOSEFINA TOCA VIOLINO DESCALÇA E DEIXA-SE LEVAR PELA DANÇA
    •  COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO ESTREIA TEMPESTADES

    •  TEMPESTADES NO TEATRO CAMÕES

A ESCOLA VAI AO BAILADO

2014-03-28


No passado dia 5 de março de 2014, integrado na parceria da Equipa de Educação Artística (EEA) - DGE/MEC com a CNB – Projeto de Aproximação à Dança, alunos da Casa Pia de Lisboa e do Complemento de Apoio à Família da Escola Básica Cataventos da Paz, do Agrupamento de Escolas Emídio Navarro, em Almada, assistiram ao bailado Orfeu e Eurídice, pela Companhia Nacional de Bailado, no Teatro Camões.


 
LA DESOLACIÓN DE ORFEU

2014-03-07


La quinta colaboración de la coreógrafa lusa Olga Roriz con el ensamble dirigido por Luísa Taveira sirve para conmemorar el tercer centenario del nacimiento del reformador de la ópera, Christoph Gluck. En el estreno de “Orfeu e Eurídice”, sobresalieron Carlos Pinillos y Filipa de Castro.

 
OLGA RORIZ APRESENTA NOVO TRABALHO NO TEATRO CAMÕES

2014-03-06

A mais recente coreografia de Olga Roriz chama-se "Orfeu e Eurídice". A peça estreou-se no Teatro Camões e é acompanhada ao vivo pela orquestra barroca Divino Sospiro.

 
ORFEU E EURÍDICE |  RTP 2 - AGORA
2014-03-02

"A orquestra é mais uma personagem (...)" refere Massimmo Mazzeo ao programa AGORA. Conheça as entrevistas a Olga Roriz (coreógrafa), Massimmo Mazzeo (diretor musical), Nuno Carinhas (cenógrafo e figurinista), Miguel Ramalho e Filipa de Castro (bailarinos). Reportagem a partir do minuto 31.
 
AMOR DE COSTAS CEGAS

2014-02-28

Olga Roriz, coreógrafa passional, enfrenta o mito de Orfeu e Eurídice numa coreografia desenhada para os corpos da Companhia Nacional de Bailado. Até 16 de Março, no Teatro Camões, dança-se o preço da dor, do ego e da traição.
 
Páginas:
Notícias por categoria:
Imprensa (123)
Televisão (28)
Revistas de Dança (5)
Rádio (14)
Blogs (3)
Críticas (9)
Jornais Digitais (57)
Outros (3)
Todas (230)
Consultar Arquivo