NOTÍCIAS


Electra 

TimeOut
Ana Dias Ferreira


Há quem conheça o nome por causa da expressão complexo de Electra, usada na psicanálise para designar a atracção da filha pelo pai. Entre muitas outras coisas, essa é a história de Electra, a personagem da mitologia grega que manda matar a mãe para vingar a morte de Agamemnon, o pai, e que a coreógrafa Olga Roriz foi buscar como inspiração para o seu novo solo, que se estreia esta quinta-feira no Teatro Camões, às 21.00.

Há dois anos que Roriz não dançava um solo, e é a própria que diz que esta talvez seja a última vez que o faz. “Na minha idade [54 anos] já não é normal que eu dance uma hora. Sabemos que os bailarinos coreógrafos geralmente dançam até tarde, mas eu tenho a noção do tempo e o que é verdade é que o meu corpo sofre com isto.”

No ano em que a coreógrafa prepara uma mega produção da Sagração da Primavera, a ser apresentada no CCB, em Maio, Electra corresponde a um “privar mais íntimo”. “Há uma diferença entre ver um dos espectáculos criados para a Companhia Olga Roriz ou um solo dançado por mim”, diz a coreógrafa. “É como ir a minha casa e ser convidado para a sala ou chegar até ao quarto. Esta sou mesmo eu.”

Em Electra, Roriz está no meio de um palco enorme e “descarnado”. Logo à primeira vista é evidente a solidão de uma mulher que está permanentemente à espera que alguém chegue. Esse é um dos temas deste espectáculo, mas há outros, retirados de várias leituras que a coreógrafa fez de diferentes versões da tragédia de Electra: “a complexidade da mulher que espera; a clausura de quem não sai do mesmo sítio; o lado feminista e da vingança; e o lado real da princesa que sente a dor de não ter vivido o amor e que envelhece sozinha.”



COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO TEM NOVA PRODUÇÃO
2015-06-18
O clássico da história da dança O Pássaro de Fogo é apresentado com uma novidade: um cenário em videomapping.
 
O HOMEM, O MUNDO E UM BAILARINO NASCEM DE UMA SÓ VEZ
2015-05-21

Em Tábua Rasa, em estreia nesta quinta-feira no Teatro Camões, quatro bailarinos juntam-se pela primeira vez unidos pela ideia de início. E desenham, em simultâneo, uma história tão íntima quanto universal.
 
"TÁBUA RASA": QUATRO CRIADORES E UM PALCO EM BRANCO, ONDE PODEMOS ENTRAR!
2015-05-21

Tábua rasa deriva do latim tabula rasa, que se referia a uma tábua de cera onde nada estava inscrito. De 21 a 23 de maio, António Cabrita, São Castro, Xavier Carmo e Henriett Ventura vão ter o desafio de inscrever no palco do Teatro Camões uma colaboração que dura desde 2014: Tábua Rasa.
 
NÃO FINGIR DE NOVO
2015-05-16

A CNB estreia "Tábua Rasa", sobre a história que constrói um corpo de memórias e de vida

 
FOLHA EM BRANCO
2015-05-13
Com uma simplicidade imersiva, o espetáculo convida o espectador a entrar numa viagem sensorial

 
Páginas:
Notícias por categoria:
Imprensa (157)
Televisão (33)
Revistas de Dança (5)
Rádio (19)
Blogs (3)
Críticas (13)
Jornais Digitais (65)
Outros (3)
Todas (273)
Consultar Arquivo